CPI do MARCHEZAN

Marchezan foi alvo de inúmeros pedidos de impeachment ao longo de seu governo. No entanto, um deles apresentava denúncias que mereciam, no mínimo, que os vereadores investigassem, o que é dever de cada parlamentar.

Robaina batalhou e conseguiu instaurar a CPI que investigou Marchezan.

Robaina batalhou e conseguiu instaurar a CPI que investigou o prefeito e suas relações com o empresário Michel Costa, figura que teve cargos de direção na Procempa e na Carris quando era sócio de uma empresa que negociava com a prefeitura. Um escandaloso caso de conflito de interesses.

Os aliados do governo fizeram de tudo para boicotar a CPI. Dias antes da entrega do relatório final, chegaram a buscas a Justiça para barrar a apresentação do documento. Perderam!

Veja as 3 verdades sobre o governo Marchezan reveladas pela CPI

Diante das conclusões da investigação, constatou-se a ocorrência de crimes imputáveis ao prefeito relacionados ao Banco de Talentos por prática de advocacia administrativa, improbidade, corrupção passiva, tráfico de influências, fraude à lei de licitações e conflito de interesses. 

A viagem de Marchezan e de sua comitiva para evento em Paris também foi objeto da CPI. Sobre este ponto, foi observada a prática dos delitos de corrupção passiva e crime de responsabilidade, tendo em vista que as despesas da viagem foram custeadas pela empresa Capester, que tinha interesses e negócios junto à prefeitura.  O relatório final recomendou o indiciamento do prefeito Marchezan por crimes de responsabilidade em razão dos elementos apresentados quanto às relações do prefeito e do empresário Michel Costa em negócios da prefeitura de Porto Alegre. O material foi entregue à Câmara Municipal para que seja encaminhado ao Ministério Público e para as devidas responsabilizações.