Manobra de Marchezan para acabar com cobradores tem nova derrota na Câmara

Consegui, em nome do PSOL e ao lado do Sindicato dos Rodoviários, o habeas corpus que garantiu o acesso universal dos trabalhadores à Câmara Municipal nesta quinta-feira (30). Com essa decisão judicial (na foto, o oficial de justiça intimando o presidente Pujol), tivemos uma vitória contra uma medida antidemocrática que impedia os trabalhadores de acompanharem […]

30 jan 2020, 16:20
Manobra de Marchezan para acabar com cobradores tem nova derrota na Câmara

Consegui, em nome do PSOL e ao lado do Sindicato dos Rodoviários, o habeas corpus que garantiu o acesso universal dos trabalhadores à Câmara Municipal nesta quinta-feira (30). Com essa decisão judicial (na foto, o oficial de justiça intimando o presidente Pujol), tivemos uma vitória contra uma medida antidemocrática que impedia os trabalhadores de acompanharem o debate no plenário.

A sessão extraordinária foi convocada às pressas a pedido do governo, que queria levar adiante o projeto que liquida o emprego de quase 4 mil cobradores de ônibus e seu inacreditável “pacote de mobilidade”, que traz a proposta absurda de um pedágio de R$ 4,70 para quem entrar em Porto Alegre. Marchezan fez seus cálculos de votos e, de forma sorrateira, queria aprovar as medidas. Não levou!

Nossa tática foi obstruir a votação e impedir que a sessão tivesse quórum. Deu certo! As duas sessões do dia sequer começaram por não haver número mínimo de vereadores no plenário.

O governo vai insistir, inclusive batendo na mentira de que haverá redução de tarifa de ônibus. Se tentar manobrar novamente com sessão extraordinária nesta sexta-feira (31), seguiremos resistindo com a obstrução.

Na segunda-feira (3), a Câmara retoma suas atividades normais. Aí, sim, cada vereador terá de mostrar com seu voto que interesses representa e de que lado está.

VEJA A MOBILIZAÇÃO NA CÂMARA