Luciana Genro

Robaina assina compromisso pela valorização dos bibliotecários do Rio Grande do Sul

12 de setembro de 2018 12h24

Foto: Vagner Benites, PSOL/divulgação

As políticas de desmonte da Educação repetidas governo após governo no Rio Grande do Sul fizeram praticamente desaparecer das escolas estaduais a figura do bibliotecário. A afirmação não é nenhum exagero, já que hoje apenas 20 profissionais da área estão em atuação nas 2,5 mil escolas estaduais. Ou seja, menos de 1% das instituições de ensino contam com o profissional essencial para a promoção da leitura entre os estudantes.

O quadro atual e as reivindicações da categoria foram levadas na manhã desta quarta-feira (12) pelo Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB-10) e pelos estudantes do movimento Bibliotecários em Marcha ao candidato a governador da coligação Independência e Luta para Mudar o Rio Grande (PSOL-PCB), Roberto Robaina.

O encontro contou com a presença da bibliotecária de formação e candidata a deputada federal do PSOL, Fernanda Melchionna.

Sem concurso público na área desde 1994 e com uma defasagem de pelo menos 700 profissionais, os grupos reafirmaram a necessidade de valorização da categoria e da apresentação de um plano por parte das candidaturas ao Piratini para reativação e valorização das bibliotecas no âmbito escolar e também nos municípios.

“Nosso compromisso com vocês é total. Essa luta é uma luta difícil, porque nós temos um quadro nacional de desmonte de tudo que é público e coletivo. Por isso nós precisamos fazer um debate, que hoje está sendo barrado, sobre o financiamento do que é público”, disse Robaina aos cerca de 20 presentes.

Dos 20 bibliotecários em atividade nas escolas do Estado, todos poderão pedir aposentadoria nos próximos cinco anos. Para evitar a extinção completa do profissional na rede pública, a presidente do Conselho Regional dos Bibliotecários, Luciana Kramer, apontou a necessidade de uma ação emergencial com o chamamento de pelo menos 100 bibliotecários pelo Estado.

Para selar o compromisso com a causa dos bibliotecários, Robaina assinou dois documentos durante o encontro: a do Conselho Regional, com cinco propostas para a categoria, e a do grupo Bibliotecários em Marcha, em que o candidato se comprometeu a cumprir a lei 12.244, que prevê um prazo de 10 anos para que todas as bibliotecas escolares tenham condições de atendimento e sejam geridas por um bibliotecário.

“A luta dos bibliotecários é estratégica e permanente. O primeiro lugar que os governantes cortam investimento é da cultura e da educação, o que afeta diretamente as políticas de leitura. Há um desmonte generalizado promovido pelos governos daquilo que eles não consideram importante. A gente precisa virar esse jogo”, afirmou Fernanda Melchionna.

Foto: Vagner Benites, PSOL/divulgação