20180824_201718
20180824_201718

| Notícias

Foto: divulgação/PSOL

Sem debater a questão das receitas não há solução possível para a crise fiscal do Rio Grande do Sul. Mudar o eixo de ação do Estado – do corte de despesas às custas dos servidores e dos mais pobres para o combate aos sonegadores e revisão das isenções fiscais injustificadas – é fundamental para a ruptura com o processo de degradação em curso.

Estas propostas foram levadas pelo candidato a governador da coligação Independência e luta para mudar o Rio Grande, Roberto Robaina, na noite desta sexta-feira (24) aos Procuradores do Estado no 27 Congresso Estadual da categoria, realizado em Pelotas.

“Temos dito que não há saída para a crise fiscal do Rio Grande do Sul se não mudarmos o foco do corte de despesas para o das fontes de receita. Combater a sonegação e rever as isenções fiscais são ações que estão na mão do Estado e podem ser feitas”.

FISCALIZAÇÃO E COMBATE À SONEGAÇÃO

Hoje o Rio Grande do Sul conta apenas metade do número de servidores necessário para uma fiscalização adequada para o combate à sonegação. Investir em tecnologia é importante, mas nada será efetivo se não houver incremento no quadro de pessoal.

Além disso, Robaina também destacou no seminário a necessidade de ruptura com o modelo econômico que privilegia apenas o agronegócio focado na exportação de soja para uma mudança no longo prazo. O candidato ressaltou a aposta na qualificação e na inteligência do Estado, como a parceria com as universidades, para estimular o desenvolvimento.
“A aposta que temos que fazer é nas nossas universidades. Se seguirmos apostando no setor que menos gera emprego (agronegócio) estamos seguirmos um modelo que levou o Rio Grande do Sul à situação que estamos”.

AGENDA

Neste sábado, Robaina participa de Painel com os candidatos ao Piratini na Expointer, em Esteio, a partir das 11h.

Confira as nossas propostas para as Finanças Públicas e Agropecuária.

Foto: divulgação/PSOL

Foto: divulgação/PSOL