20180809170710-img-0451-capa
20180809170710-img-0451-capa

| Notícias

Foto: Senge, divulgação
“Ou temos mudanças estruturais ou não tem mudança possível. E a mudança estrutural é a mudança nas finanças públicas”.

O alerta feito hoje pelo pré-candidato da coligação PSOL-PCB ao governo do Estado, Roberto Robaina, aos diretores do Sindicato dos Engenheiros não é uma novidade. Desde 2006, quando foi o primeiro candidato do PSOL ao Palácio Piratini, o tema é enfatizado em suas falas durante as campanhas eleitorais.

O que era desdenhado pelos demais candidatos e pela grande mídia na época, hoje é questão reconhecida inclusive pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

“Em 2006 afirmamos que o mecanismo da dívida ia tornar o Estado ingovernável. Quando falávamos isso era um tabu. Provou-se que a nossa tese estava certa”, disse Robaina.

Além das perguntas sobre as finanças públicas e políticas de isenções fiscais, renúncia fiscal e combate à sonegação, os diretores do SENGE também questionaram na manhã desta quinta-feira (9) sobre temas ligados à agropecuária, energia elétrica, mobilidade e transporte, planejamento e habitação.

O encontro contou com a participação de cerca de 15 diretores do sindicato, entre eles o presidente Alexandre Wollmann.

Confira a íntegra do encontro no SENGE: